Simples assim...

10:49







Primeiro ela sentou-se em uma pequena cadeira, e puxou a mesinha para perto de si.
Olhou todos que estavam em sua volta e voltou-se para mim, fui onde ela estava e perguntei o que ela gostaria de fazer: brincar, pintar, rabiscar. E ela com uma voizinha tão baixa e meiga disse-me que gostaria de desenhar..
Fui até o armário e peguei o que seria necessário; folha limpa, lápis grafite, borracha, lápis de cor para que ela pudesse da vida a sua criatividade ingênua.
Depois que acabou cheguei perto dela e perguntei o que tinha desenhado.
Falou-me apontando com seu dedinho fura-bolo na folha, que a parte preta encontrava-se o telhado da casa, a parte rosa séria (á casa) e a parte verde os quartos.
Olhei para ela e vi os olhos dela brilhando, e refletir quanta inocência e simplicidade em uma imaginação infantil. Aquela pequenina conseguiu chama minha atenção de uma forma tão rápida. Pude notar de que como as crianças se divertem com tão pouco. E sua zona de pensamentos é tão solta. Concluir que a imaginação não tem limites..
Depois disso, ela me deu de presente o desenho, e plantou um beijo em minha bochecha.
Agradeci e lhe dei um abraço. Ela sorriu e se juntou as outras crianças...


- Aline Cruz      

Vá embora não, tome mais uma dose

0 comentários